sábado, 31 de janeiro de 2009

Updike em português

Haverá alguma razão para que os título [do escritor] John Updike [falecido esta semana] estejam referidos em inglês quando estão traduzidos em português? Um truquezinho: se forem a esta página da Biblioteca Nacional e pesquisarem pelo nome do autor, verão uma lista dos livros dele com nomes traduzidos, editora, ano, etc.

Nuno

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Tréplica a propósito dos editoriais de José Manuel Fernandes sobre a guerra da faixa de Gaza:

Também eu desejo evitar polémicas com José Manuel Fernandes. A minha carta era sobre a insensibilidade ao sofrimento humano demonstrada pelo director do PÚBLICO. Essa parte passou completamente ao lado do alvo, já que José Manuel Fernandes insiste no argumento do "sim, foram muitos, mas comparado com outros é pouco". Pela mesma bitola matemática, o Hamas é uma associação de caridade, já que "só" matou 13 pessoas. Espero que pelo menos outros leitores tenham compreendido o meu sentimento.

O que não pode passar em claro é a argumentação de que o "número de vítimas civis [foi] muito reduzido se tomarmos como exemplo de referência o número de vítimas civis resultantes dos bombardeamentos da NATO durante a guerra do Kosovo".

Após a campanha da NATO no Kosovo, a Human Rights Watch (HRW) - desde o início bastante crítica em relação a este conflito - foi a única organização a enviar para o terreno uma missão encarregada de contabilizar as vítimas civis desta guerra. Essa missão documentou cerca de 500 mortos civis, em resultado de uma campanha militar que durou 10 semanas (ver aqui). Mesmo que se tomasse por correcto o número máximo aceite pela NATO, de 1500 civis mortos, andar-se-ia sempre muito longe dos níveis de mortalidade atingidos pelos ataques israelitas em apenas três semanas. Para quem queria provar o
"cuidado e precisão" relativos do exército israelita, saíu-lhe o tiro pela culatra.

Agradeço a José Manuel Fernandes, pela parte que me toca, a sua preocupação em nos "ajudar a fugir de alguns mitos muito presentes na opinião pública"; permito-me sugerir-lhe, no entanto, que comece por tentar fugir aos mitos presentes na sua cabeça.

Manuel Leal

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A propósito de “guerra e paz”

O director do PÚBLICO responde à carta de um leitor

Sem querer entrar em polémica com o leitor Manuel Leal, que escreve a partir de Bruxelas, gostaria contudo de acrescentar alguns factos elucidativos sobre a questão dos “crimes de guerra” e sobre as condições em que se travaram os combates em Gaza. Esses elementos constam de um trabalho publicado no New York Times, dias depois do meu editorial, e confirmam e sistematizam as informações que tinha recolhido noutras fontes e me levaram a considerar que a intervenção militar estava a decorrer com “cuidado e precisão” – o que não é sinónimo de estar a decorrer sem vítimas civis. Mas quem quer que alguma vez tenha estado em Gaza e conheça o terreno, como é o meu caso, facilmente percebe que só um exército muito bem treinado poderia ter realizado aquela operação num território tão densamente povoado e onde os adversários se escondem entre a população civil provocando um número de vítimas civis elevado mas, por comparação, muito reduzido se tomarmos como exemplo de referência o número de vítimas civis resultantes dos bombardeamentos da NATO durante a guerra do Kosovo.

Deixo pois ficar, como anexo, o texto integral do NYT, que mesmo sendo longo considero muito útil para se fugir de alguns mitos muito presentes na opinião pública.

José Manuel Fernandes

Texto integral do New York Times:

Weighing Crimes and Ethics in Urban Warfare

By STEVEN ERLANGER

Published: January 16, 2009

JERUSALEM — Your unit, on the edges of the northern Gaza town of Jabaliya, has taken mortar fire from the crowded refugee camp nearby. You prepare to return fire, and perhaps you notice — or perhaps you don’t, even though it’s on your map — that there is a United Nations school just there, full of displaced Gazans. You know that international law allows you to protect your soldiers and return fire, but also demands that you ensure that there is no excessive harm to civilians. Do you remember all that in the chaos?

Skip to next paragraph You pick GPS-guided mortars, which are supposed to be accurate and of a specific explosive force, and fire back. In the end, you kill some Hamas fighters but also, the United Nations says, more than 40 civilians, some of them children.

Have you committed a war crime?

Whatever the military and political results of Israel’s 21-day war against Hamas in Gaza, Israel is again facing serious accusations and anguished questioning over the legality of its military conduct. As in Israel’s 2006 war against Hezbollah in Lebanon, the popular perception abroad of how Israel fights, and hence of Israelis, may prove to be more lasting than any strategic gains or losses.

The televised images of devastation in the crowded Gaza Strip and the large asymmetry in deaths, especially of civilians, have created an uproar in the Arab world and the West reminiscent of 2006.

A plethora of Western foreign ministers, United Nations officials and human rights groups, both Israeli and foreign, have expressed shock and disgust; some have called for investigations into possible war crimes. Such groups also say Hamas is clearly violating the rules of war.

More than 1,100 Palestinians have died in Gaza, according to the Hamas-run Ministry of Health, which estimates that 40 percent are women and children under 18. Israel estimates that only a quarter of the dead are civilians. Israel, which has suffered 13 dead, 3 of them civilian, is being accused of a disproportionate use of force. Death tolls in warfare may carry a moral weight, but not a legal one.

Question of Proportionality

Under international law, proportionality is defined as a question of judgment, not of numbers: Is the potential risk to civilians excessive in relationship to the anticipated military advantage? That puts the weight on military advantage, since civilian risk is a given and must only not be “excessive.” Even if the target is legitimate, was the right weapon used to try to minimize civilian damage? The key is the expected damage the commander anticipated from the use of a certain weapon, and not what actually happened when it was fired.

The other key legal principle is discrimination: has a military struggled hard enough to hit only military targets and combatants, while trying to avoid purely civilian targets and noncombatants?

Deciding requires an investigation into battlefield circumstances that cannot be carried out while the fighting rages, and such judgments are especially difficult in urban guerrilla warfare, when fighters like Hamas live among the civilian population and take shelter there. While Israel is the focus of most criticism, legal experts agree that Hamas, a radical Islamic group classified by the United States and Europe as terrorist, violates international law.

Shooting rockets out of Gaza aimed at Israeli cities and civilians is an obvious violation of the principle of discrimination and fits the classic definition of terrorism. Hamas fighters are also putting civilians at undue risk by storing weapons among them, including in mosques, schools and allegedly hospitals, too, making them potential military targets. While urban and guerrilla warfare is not illegal, by fighting in the midst of civilians, often in civilian clothing, Hamas may also bring risk to noncombatants.

But Hamas’s violations tend to be treated as a given and criticized as an afterthought, Israeli spokesmen and officials say. They say that Israel has never sought to hit civilians, medical workers or United Nations facilities or personnel. “The rules of engagement are very clear,” said Mark Regev, the government spokesman. “Not to target civilians, not to target U.N. people, not to target medical staff. All this is very clear in Israeli military doctrine.”

Asa Kasher, 69, has a chair in ethics at Tel Aviv University and helped write the Israeli military’s ethical code. He still teaches in the army’s College of Command and General Staff.

He said that the Israeli Army’s ethical and legal standards were high and that he believed they were conscientiously taught to its military. But as for what happens on the ground, he said, “I have a general confidence in their attitudes and decency, but who knows?”

A senior lawyer for the United Nations, who was authorized to speak only if she remained anonymous, agreed that the Israeli code was excellent, but said that the military was not doing enough to protect neutrals or to provide havens for civilians. “A proper weighing of proportionality on the battlefield is just not happening as it should,” she said.

Israel’s chief army legal officer, whose name cannot be published under censorship rules, called the charges “deeply unfair and unjust,” and spoke of the horrible realities of war and compared Israel’s behavior favorably to that of the American military in Iraq, Afghanistan and Kosovo.

The most intense criticism of Israel’s behavior has centered on how it has conducted the war and weighed risks to civilians, access of medical personnel to the wounded and provision of vital supplies to civilians in Gaza who cannot escape the sealed territory. A few events encapsulate the arguments and are fiercely disputed.

The Fakhura School

One of the touchstones of the war so far has been the fate of a group of Palestinian civilians fleeing the fighting who were lining up to enter a United Nations school. They were killed on Jan. 6 in an exchange of mortar fire between Hamas fighters and Israeli troops. The facts are disputed; John Ging, the Gaza director of the United Nations Relief and Works Agency, said that 43 people died and that no militants fired from inside the school grounds or were harbored there. The Israeli military first said that it had returned fire at a Hamas mortar team inside the school and killed two fighters. Then the army briefed diplomats to say that the Hamas men were firing next to the school, and that one mortar shell, equipped with a guidance system, had gone off target. But after completing its initial inquiry, the army now has returned to its first version — that Hamas militants fired from inside the school compound. The army has also questioned the figure of 43 dead, saying that it was manipulated by Hamas and is too high, given the limited explosive power of a mortar shell.

The director of the Palestinian human rights group Al-Haq, Shawan Jabarin, said in an interview that the Israelis knew that the school was sheltering civilians.

“While they did not attack the school directly, they have to take into account civilians there. Because they didn’t take that into account, and they knew the shells would fragment, they didn’t take care with civilian lives,” he said. “They bear the responsibility. Under international law, if you don’t take all measures to respect civilians, you bear responsibility.”

Witnesses, including Hanan Abu Khajib, 39, said that Hamas fired just outside the school compound, probably from the secluded courtyard of a house across the street, 25 yards from the school. Israeli return fire, some minutes later, also landed outside the school, along the southwest wall, killing two Hamas fighters. Nearly all the casualties were in the street outside the compound, with only three people wounded from shrapnel inside the walls.

The United Nations relief agency takes great care not to harbor militants in its buildings in order to protect civilians and their children, said the agency’s spokesman, Christopher Gunness. The agency normally deals with as much as half of Gaza’s population of 1.5 million, and it is eager to make clear that its workers are neutral and not to be fired upon.

Mr. Gunness and other agency officials say that they do not want to get into a fight with Israel over allegations of war crimes, though they stress that they had provided the map coordinates of all agency schools, shelters and buildings to the Israeli military. But they are troubled by regular Israeli allegations, most recently by the Foreign Ministry and by Avi Dichter, Israel’s minister of public security and former head of the Shin Bet counterterrorism agency, that the agency has been infiltrated by Hamas partisans and fighters, which may, Mr. Gunness said, lead young Israeli soldiers to believe that the agency is a justifiable target.

Israel, too, has tried to avoid a public fight with the agency, sending a senior Defense Ministry official to express his regrets for the death of an agency driver — whose killing the United Nations attributed to Israel but Israel denied it — and to say that Israel appreciates the work the agency does in Gaza, diplomats and Israeli officials said.

But the legal question of war crimes is different.

First, if Hamas fired from inside or even next to the United Nations school, knowing that it was an agency building and thus trying to use its neutrality for protection, endangering civilians, then the Hamas fighters are potentially guilty of a crime, according to B’Tselem, an Israeli human rights group. They also, by firing, turned the place from which they fired into a legitimate military target — as mosques became legitimate targets because Hamas stored large caches of rockets and weaponry inside them.

Investigators would then have to decide if Israeli troops fired back with appropriate weapons, and with the appropriate balancing of military benefit for the entire operation against potential civilian harm.

“The important issue is how the Israeli forces balanced the military benefit of hitting the target with the expected collateral damage to civilians,” said the Israeli army chief legal officer. “As I understand it, I don’t think they expected this number of casualties. When you look at mortar fire, you don’t expect 43 casualties — if in fact there were 43 casualties. We think a wall collapsed or there was another explosion. It’s not clear.”

The Israeli mortars had GPS guidance, the army said. But a commander must also consider the probability that it might miss. “If it is rare to go off target, then it’s not something you have to take into account,” the legal officer said. “But I don’t know how much the soldiers were aware of who was inside the building — maybe they should have known better, but getting information to forces in a firefight on the ground is a problem. But if the firing was from outside and they didn’t expect the building to be hit, then that affects the judgment.”

There is a “field debriefing” going on, the officer said. But it is not clear when the investigation will be completed or whether it will be made public. Usually field investigations are internal, with only conclusions revealed, unlike criminal investigations and courts-martial.

The Samouni Clan

The Israeli ground invasion began Jan. 3, and in the early hours of Jan. 4, the International Committee of the Red Cross began hearing of a large clan, the Samounis, who were wounded and trapped by the fierce fighting around Zeitoun, in eastern Gaza City. The Red Cross began asking the Israeli Army for access to the wounded.

The Samouni clan said it was moved by Israeli soldiers from house to house, but the Israeli military denies it. The last house was shelled, and some 30 members of the extended family died, raising the question of whether the Israeli Army targeted a house where it knew refugees were sheltering. The Red Cross was not granted access to the area to reach the Samounis and others until Jan. 7, when four children were found emaciated, next to their dead mothers.

It was not clear why the house was shelled, but Maj. Jacob Dallal of the Israeli Army said an investigation showed that no specific buildings in Zeitoun had been chosen as targets that day, and that the army only heard later about the family’s plight. He said that an inquiry showed that the army had not moved the Samouni family from house to house, though they may have done so themselves in response to Israeli calls to leave the battlefield.

The Red Cross, which normally works quietly, issued a rare public statement rebuking Israel, charging that the Israeli military had failed to meet its obligation under international humanitarian law to care for and evacuate the wounded in a timely way.

Anne-Sophie Bonefeld, a Red Cross spokeswoman based in Jerusalem, said, “We were really, really shocked by the delay.” The aim of going public, she said, “was to try to ensure that we never have such a situation again.”

The Red Cross statement also shocked the Israelis, who work well with the Red Cross and trust it, Mr. Regev said. “We found it very troubling, because we take them very seriously,” he said. “It is incumbent on us in difficult situations to help the I.C.R.C. to do its job.”

Maj. Peter Lerner, spokesman for the Defense Ministry’s coordination office for Gaza, said that access to the battlefield “is severely influenced by the combat going on,” adding that “tactical coordination was there from the start and worked in many cases, and sometimes due to intense fighting it didn’t work as well.”

But Israel then moved to set up an additional special joint operations room with the main humanitarian agencies near Tel Aviv.

Hamas has misused ambulances and Red Crescent and United Nations symbols in the past and is doing so during this conflict, Major Lerner charged.

“We’ve had gunmen coming out of ambulances and taking up positions here in the last week; my people saw it,” he said. “So of course this makes the troops in the field very wary about any vehicles approaching them, and why coordination has to be from the top to the very bottom, all the way down the line to the unit in the field.”

The army’s chief lawyer said about the Samounis: “There was at no stage a policy to not take care of the wounded. We’re trying to improve coordination. But there can be no high intensity fighting in such a densely populated place without mistakes. I’m sure there are mistakes.”

Since then, the Red Cross has noted improvements, even praising Israel for trying to avoid civilian casualties and provide humanitarian assistance in a briefing for Europeans in Tel Aviv, according to a European diplomat who attended the briefing.

Pierre Wettach, head of the organization in Israel and the Palestinian territories, said of the Israel Defense Forces in an interview: “I believe there is a true concern on the part of the I.D.F. to address these things, which are extremely complicated to organize.”

Targets Challenged

Human rights groups are also troubled by Israel’s strikes on buildings they believe should be classified as civilian, like the parliament, police stations and the presidential palace.

“Some of the targets are government offices of Hamas and the civilian authorities,” said Jessica Montell of B’Tselem. Unless used for military purposes, she said, “these are not legitimate targets,” and added, “we have suspicions that the I.D.F. does not respect these regulations.”

The army attacked “both aspects of Hamas — its resistance or military wing and its dawa, or social wing,” a senior intelligence officer said. He argued that Hamas was all of a piece and in a war, its instruments of political and social control were as legitimate a target as its rocket caches. Since June 2007 and the Hamas takeover of Gaza in a brief war with its secular rival Fatah, both Israel and Egypt have tried to seal the territory. But there has been an active smuggling trade through tunnels from Egypt, and a year ago, Hamas blew open the Egyptian border, letting Gazans go to Egypt and shop for food, cooking oil, medicines, refrigerators and the like. But Hamas also used the open border to smuggle in large rockets and other weapons, Israeli officials say.

To try to stop rocket attacks from Gaza, Israel halted normal trade with Gaza and kept it on a much reduced diet for electricity, gasoline, diesel and cooking oil, wheat flour and many other items. The idea was a form of economic sanction, Mr. Regev, the government spokesman, said, a reminder that Israel would not let life be normal under Hamas.

But many human rights groups banded together to sue the government in the Supreme Court, alleging violation of international law and “collective punishment of civilians.” The Israeli government argued that there was no humanitarian crisis in Gaza, that basic necessities were provided — using the United Nations’ figure for the minimum calories required daily for subsistence — and the court generally agreed. But the rockets did not stop.

The effective closure continued through a six-month cease-fire with Hamas that ended last month, and the shortage of diesel oil for Gaza’s only power generator, for example, meant many hours a day without electricity. That put a strain on hospitals, generators and on the water supply and sewage system, which depend on electric pumps.

Nine Israeli human rights groups charged that the fighting had caused a crisis in the health and sanitation systems and have petitioned the Supreme Court again.

Sari Bashi, of the human rights group Gisha, said the current lack of electricity had limited the access to potable water to more than 500,000 people; she said that there was sewage in the streets and that hospitals were running on generators missing spare parts. Ms. Montell of B’Tselem said that even though Israel pulled out of Gaza in 2005, “there is no legal vacuum” and it retains responsibility for basic needs and trade. “The argument that it’s collective punishment of civilians I find very compelling,” she said.

Replacement for Sanctions

But since the war began, fighting has replaced sanctions as a means for stopping the rockets, Mr. Regev said.

Philippe Lazzarini, head of the United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs, said that since the war started, “The number of trucks Israel has allowed into Gaza is much higher than during the blockade.” But he laughed and said, “Anything seems like a big increase when you compare it to practically nothing.” Major Dallal said that “people lose sight of the context of a war zone in a densely populated area, where every time a door is pulled open, a soldier wonders who is behind it.”

The Palestinian Center for Human Rights said the Israeli military had acted with “total disregard for the lives of Palestinian civilians.”

Major Dallal, however, said the fundamental question, and not just for Israel, was, “How does an army fight a terrorist group?”

“If we,” he added, meaning the world, “just see the pictures and don’t use our heads, then the terrorists will always win these public opinion battles.”

Taghreed El-Khodary contributed reporting from Gaza, and Sabrina Tavernise from Jerusalem.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Construções na areia

Um jornal de referência, sendo um registo para a História, deve empenhar-se em eliminar todos os aspectos dúbios das suas notícias

Enquanto dizia que “não licenciou nem tinha que licenciar”, o ICNB admitia ter dúvidas sobre a natureza da obra

Discute-se muito por estes dias as formas de contornar as limitações à construção em zonas protegidas, quase sempre em orlas marítimas ou fluviais, isto é, praticamente sobre praias. O provedor aproveita para abordar um assunto que corre nos bastidores do PÚBLICO desde Outubro último sem ter tido ainda desfecho.

A origem foi a notícia “Casa em construção numa falésia põe a nu contradições do ordenamento do território”, do jornalista Carlos Dias (C.D.), publicada na secção local da edição Lisboa do PÚBLICO de 27 de Outubro (pág. 20). A falésia em questão situa-se na Zambujeira do Mar, concelho de Odemira, e o repórter ouviu a reacção oficial do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICBN), que, segundo o texto, “diz que não ‘licenciou nem tinha que licenciar’ o projecto de habitação na falésia, alegando tratar-se de obra em perímetro urbano onde ‘não se aplica o Plano de Ordenamento do PNSACV [Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina]’”. C.D. adiantava porém que “o decreto Regulamentar 33/95 sujeita à aprovação do PNSACV – na dependência do ICBN – ‘as acções que impliquem a alteração das praias, dunas, arribas e da plataforma marítima’”.

No mesmo dia, a assessora de imprensa do ICBN, Sandra Moutinho [S.M.], enviou ao director do PÚBLICO, com conhecimento do provedor, “uma nota de correcção” acusando C.D. de fazer “uma leitura errónea do Plano de Ordenamento do PNSACV”. Adiantava S.M.: “Logo na primeira das respostas enviadas [a C.D., na fase de elaboração da notícia], encontra-se o esclarecimento que impediria este grosso erro de leitura do conteúdo do Plano de Ordenamento da Área Protegida, que deturpa a compreensão pelos leitores do processo de decisão sobre este assunto, e que transcrevo: ‘Nem este ICNB nem a anterior Comissão Directiva do PNSACV emitiram qualquer autorização e/ou parecer no âmbito do processo de licenciamento da obra (…); é que, a ser verdade, como terá afirmado aquela Autarquia, que tal obra se localiza (…) no Perímetro Urbano aprovado pelo PDM de Odemira e pelo Plano de Urbanização em vigor para a localidade de Zambujeira do Mar, tal facto implica que, em princípio, o ICNB/PNSACV não teria, legalmente, que pronunciar-se (no sentido de autorizar, aprovar, ou emitir parecer favorável, ou não) sobre o licenciamento da mesma’. A resposta citava depois os diplomas que só obrigam o ICBN a pronunciar-se acerca de construções “fora das áreas urbanas”.

Antes de qualquer outra diligência, o provedor inquiriu junto do editor responsável pela página de correcções no PÚBLICO se estava prevista a publicação da nota do ICBN. A resposta veio do director, esclarecendo existir um problema: aquilo que S.M. lhe dissera que enviara a C.D. era diferente do que o jornalista efectivamente recebera. J.M.F. acrescentou que teria primeiro de esclarecer junto de S.M. a discrepância de respostas.

Na verdade, o editor da secção local, Carlos Filipe, não deixara de assinalar essa discrepância, em nota enviada a José Manuel Fernandes (J.M.F.): “É com grande estranheza que tanto eu, que editei a peça, como o autor lemos o teor da resposta do ICNB. (…) As respostas às questões solicitadas pelo C.D. são diferentes daquelas que foram enviadas posteriormente pelo ICNB ao director e ao provedor (…). Tanta certeza de que a interpretação foi ‘errónea’ leva-nos a apontar, com estranheza, o que diz (…) a segunda resposta do ICNB (…): é taxativo ao afirmar que ‘não licenciou nem tinha que licenciar’, (…) mas admite verificar, a posteriori, se está ou não em perímetro urbano. Conclusão: o que se percebe do texto é que há grandes contradições no ordenamento do território – e é o que diz o título -, pelo menos naquela zona. Não criadas pelo PÚBLICO ou pelo autor da peça. E, salvo melhor entendimento, parece-nos que essas contradições não caíram bem no ICNB, ou a quem facultou as primeiras respostas”. O editor sustenta ainda que as respostas do ICNB, apesar das diferenças, “em génese, não alteram o que foi escrito”.

A explicação da assessora do ICNB, enviada a J.M.F. com conhecimento do provedor, admitiu o que terá sido um lapso: “O texto que enviei (…) é o meu documento técnico de trabalho, da autoria de um nosso jurista, e não o texto que depois seguiu para C.D. (…) No entanto, não existem diferenças significativas entre os dois textos, o documento final é mais reduzido, foi eliminado algum conteúdo que me parecia excessivo. Por isso, no que importa para a questão, está lá tudo na mesma. (…) Quando C.D. diz na notícia que o documento legal que contém o Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano sujeita à aprovação do ICNB o tipo de construção que é o alvo da notícia, está a cometer o erro crítico – é que não é assim, como se pode ver no referido Decreto Regulamentar: ‘Sem prejuízo dos restantes condicionalismos legais, carecem de autorização da comissão directiva do Parque Natural: a) O licenciamento de obras de construção civil, designadamente novos edifícios, reconstrução, ampliação, alteração, demolição de edifícios, trabalhos que impliquem alterações da topografia local fora das áreas urbanas existentes definidas no presente Plano, dos perímetros urbanos delimitados nos planos municipais de ordenamento do território legalmente eficazes e das áreas de jurisdição portuária’. (…) A diferença entre o que C.D. diz e a realidade separa a responsabilidade do ICNB no licenciamento desta construção – que não existe, mas existiria se tivéssemos de nos pronunciar”.

De qualquer modo, deve dizer-se, como bem notou o editor da secção Local, que o engano havido da parte de S.M., enviando para o director o rascunho do que deveria ser a resposta a C.D. em vez daquela que acabou por lhe ser remetida, enfraqueceu a posição do ICNB, já que, ao mesmo tempo que garantia que “não licenciou nem tinha que licenciar” (texto enviado a C.D.), este organismo estatal prometia (texto enviado a J.M.F.): “No sentido de dilucidar todas as dúvidas que possam subsistir nesta matéria, vamos diligenciar junto da CMO [Câmara Municipal de Odemira] para que nos envie as plantas de localização e de implantação desta obra, bem como a certidão de registo predial do respectivo prédio, ou prédios – após o que, se for caso disso, o ICNB não deixará de agir em conformidade” (diligências que, aliás, não se sabe se foram feitas nem, em caso afirmativo, que resultados produziram).

Em posteriores contactos com J.M.F., o provedor foi sendo informado da possibilidade de se chegar a um acordo entre o PÚBLICO e o ICNB para a publicação de um esclarecimento, o que porém não chegou a verificar-se, aparentemente devido ao arrastamento da situação. Em face das circunstâncias, compreende-se que o jornal não se sentisse vinculado a publicar um desmentido que era em si mesmo incongruente, mas, ao mesmo tempo, lamenta-se que a posição do ICNB no imbróglio não tivesse ficado mais bem clarificada, já que essa é a obrigação de um jornal de referência.


CAIXA:

O direito à felicidade

O leitor Jorge Guimarães (J.G.) reclamou junto do provedor por ter ficado sem resposta uma correcção que enviara ao editorial de 10 de Dezembro, assinado pelo director do PÚBLICO, relativamente a uma passagem onde J.M.F. citava Paulo Escarameia, falando “do direito à felicidade, constante das declarações americanas do século XVIII”, e acrescentava: “Estava no Bill of Rights que inspirou a revolução americana”. Esclarecia J.G.: “Estranhei, e fui verificar. De facto, este ‘direito’ não consta no Bill of Rights (os primeiros dez aditamentos à Constituição dos EUA), mas sim na Declaração de Independência, com uma
importante diferença: não garante o direito à felicidade, o que seria tão utópico como garantir o direito à prosperidade, mas sim o direito à procura da felicidade (‘the pursuit of happiness’) – o que é outra coisa”.

O provedor inquiriu junto de J.M.F. se tencionava fazer a correcção, e o director respondeu: “Eu fiz um ‘PÚBLICO errou’.” Disso foi informado J.G. pelo provedor, com a informação de que fazia fé na declaração do director e que posteriormente procuraria saber o dia em que a rectificação fora publicada. J.G. respondeu porém que era leitor habitual do jornal e que não se recordava da saída da correcção. Efectuado o levantamento das edições posteriores a 10 de Dezembro, o provedor concluiu que J.G. tinha razão, disso tendo informado J.M.F. O director respondeu então: “Fui verificar. Não saiu. Há uma rotina para colocar os ‘PÚBLICO errou’ numa determinada pasta do sistema, que deve ser limpa todos os dias para não se repetirem correcções de erros. Pelo que apurei, devo ter colocado lá a nota sobre o erro no editorial (um lapso meu, que não fui confirmar o nome do documento fundacional dos Estados Unidos onde se referia o direito a tentar ser feliz) antes da operação de ‘limpeza’, pelo que ela foi apagada por engano antes de ser paginada. A próxima vez que me referir ao tema (não é a primeira vez que chamo a atenção para a particularidade dos documentos fundacionais dos EUA conterem uma referência à felicidade individual), farei uma correcção, remetendo para o editorial em que cometi o erro. Parece-me melhor do que editar agora o PÚBLICO errou que devia ter saído a 12 de Dezembro”.

Dado que tanto a palavra do director como a do provedor estavam em causa perante o leitor, não será necessário esperar por novo editorial de J.M.F., ficando a correcção já efectuada, ao fim de uma semana em que os americanos, aliás, pareceram apostados em fazer avançar essa disposição constitucional. Mas o provedor interroga-se sobre quantas mais rectificações não terão sido engolidas pelo sistema informático do PÚBLICO devido a estas “operações de limpeza por engano”.

Publicada em 25 de Janeiro de 2009

DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR:

Perguntas feitas por Carlos Dias ao ICNB para a elaboração da notícia:
Beja 4 de Setembro de 2008

Exmo senhor presidente do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade,
Dr. Tito Rosa,

Carlos Alberto Fernandes Dias, jornalista do diário PÚBLICO, titular da carteira profissional 5072, para fins relacionados com a sua actividade profissional e ao abrigo da Lei de Acesso aos Documentos Administrativos, da Lei de Imprensa e do Estatuto do Jornalista, vem solicitar os seguintes esclarecimentos:

I
Na freguesia de Zambujeira do Mar, a câmara de Odemira autorizou a construção de um edifício com o número de alvará 45/2008. Trata-se de um prédio descrito na Conservatória do Registo Predial de Odemira com o número 4460/20070704 e inscrito na matriz sob o artigo 7141. As obras foram aprovadas pela câmara de Odemira em 20 de Fevereiro de 2008.

A área total e construção é de 1.742,55 metros quadrados e volumetria da edificação é de 3012,00 metros cúbicos.

A câmara de Odemira diz que o licenciamento da obra “respeita toda a Legislação aplicável ao local em questão o qual está inserido no Perímetro Urbano aprovado pelo PDM de Odemira e pelo Plano de Urbanização em vigor para a localidade de Zambujeira do Mar”.

Reportando-se ao artigo 3º do Decreto Regulamentar nº9/99 o município refere que o Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina autorizou o licenciamento de uma obra que se encontra “ fora das áreas urbanas existentes definidas do Plano” de Urbanização da Zambujeira do Mar.
Mas ao mesmo tempo diz que “aos perímetros urbanos aprovados em sede de PDM e Planos de Urbanização não são aplicáveis as disposições dos Planos Regionais de Ordenamento (PROTALI) e Planos Especiais de Ordenamento (Plano de Ordenamento do Parque Natural e Plano de Ordenamento da Orla Costeira)”.

Dada a localização da obra em cima de uma falésia e num local que está ocupado pelos painéis instalados pelo PNSACV com informação sobre as características da fauna, flora e a respectiva geologia daquele troço da costa, e a respectica placa a indicar tratar-se de território que integra o Parque Natural, pergunto:

O PNSACV licenciou esta obra?

Em caso afirmativo como é que uma construção que está a ser erguida em cima de uma falésia em área que, presumo, integra o parque natural, respeita as exigências impostas pelo Protali, POOC Sines/ Burgau e Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina?

II
Durante o “II Seminário – Desenvolvimento Económico e Conservação da Natureza, que ocorreu a 30 de Maio de 2006, em Odemira, o presidente da autarquia, António Camilo, durante a sua intervenção, disse, a dado passo, que foi necessário “ inventar outro Decreto Regulador (9/99 de 15 de Junho) para introduzir uma alteração ao Decreto Regulamentar nº 33/95 de 11 de Dezembro, para tornar possível a publicação da carta de Gestão do Plano de Ordenamento do PNSACV. E disse mais: que a carta de gestão “ “não foi sujeita a consulta pública”.

O PÚBLICO teve acesso ao ofício nº 232 – ODM/03 elaborado pelo PNSACV onde está escrito o seguinte: o Plano de Ordenamento do PNSACV, D.R 33/95 alterado pelo D.R 9/99, foi aprovado após “discussão pública”.

Posteriormente outro ofício do PNSACV datado de 27 de Julho de 2008 vem dizer que a “alteração, bem como a aprovação e publicação do mencionado Decreto Regulamentar nº 9/99 de 15 de Julho, não foi objecto de “consulta pública”, acrescentando que “este diploma visou, tão só e apenas, suprir “alguns lapsos e incorrecções (...) e integrar toda a regulamentação aplicável ao PNSACV num único diploma (...)

Analisados que foram os “lapsos e incorrecções” suprimidos na carta de Gestão do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, verificámos que foram alterados os artigos 2º e 3º do D.R 33/95, tendo uma nova redacção. Foi editado um novo artigo (3ºA) e dois anexos (III e IV) que constituem respectivamente a Carta de Gestão na qual, se encontram demarcadas duas Áreas específicas de Carácter Turístico, (cartas que aliás não estão previstas no PROTALI), e os critérios para a preciação de projectos de edificação previstos no artigo 3º do regulamento.

Pergunto:

O senhor presidente do ICNP confirma os dados aqui referidos?

As alterações à carta de Gestão do Plano de Ordenamento do PNSACV foram alterados sem discussão pública?

Em caso afirmativo, a decisão está correcta?

Os “lapsos e incorrecções” suprimidos podem ser classificados como tal?

Carlos Dias

Excertos dos esclarecimentos que a assessoria de imprensa do ICNB enviou ao jornalista Carlos Dias por ocasião da elaboração da notícia:

1ª:
O PNSACV não licenciou nem tinha que licenciar, visto tratar-se de uma obra em Perímetro Urbano e fora do DPM. Em Perímetro Urbano não se aplica o POOC nem o Plano de Ordenamento do Parque Natural.

2ª:
As exigências do Plano de Ordenamento e do POOC não se fazem sentir nos Perímetros Urbanos. Esta questão deveria fundamentalmente ser respondida pela entidade licenciadora, que tem de aplicar cumulativamente todos os IGT e proceder às consultas a todas as entidades que por lei tenham de ser consultadas.

Sandra Moutinho
Assessoria de imprensa
Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade

Carta da assessora de imprensa do ICNB ao director do PÚBLICO, com conhecimento do provedor

Lamento ter de enviar esta nota de correcção de uma notícia PÚBLICO, facto raríssimo no diário que mais e melhor publica em Portugal sobre matérias de conservação da natureza e da biodiversidade.

Na notícia publicada hoje, 27 de Outubro, na secção Local, sob o título “Casa em construção numa falésia põe a nu contradições do ordenamento do território”, o jornalista Carlos Dias faz uma leitura errónea do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Transcrevo: “O ICNB diz que não 'licenciou nem tinha que licenciar' o projecto da habitação na falésia, alegando tratar-se de obra em perímetro urbano onde 'não se aplica o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Sines-Burgau, nem o Plano de Ordenamento do PNSACV', não referindo o Protali, mas sugerindo que 'a questão deveria ser respondida pelo licenciador'."

No entanto, o Decreto Regulamentar 33/95 sujeita à aprovação do PNSACV - na dependência do ICNB - "as acções que impliquem a alteração das praias, dunas, arribas e da plataforma marítima", […]”.

Ora, o jornalista consultou previamente o ICNB sobre esta matéria, tendo-nos enviado um conjunto de perguntas por email, às quais respondemos (ver nos anexos a este email); logo na primeira das respostas enviadas, encontra-se o esclarecimento que impediria este grosso erro de leitura do conteúdo do Plano de Ordenamento da Área Protegida, que deturpa a compreensão pelos leitores do processo de decisão sobre este assunto, e que transcrevo:

1. “Nem este ICNB, IP, nem a anterior Comissão Directiva do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) emitiram qualquer autorização e ou parecer no âmbito do processo de licenciamento da obra a que se refere o Alvará n.º 45/2008, da Câmara Municipal de Odemira (CMO); é que, a ser verdade, como terá afirmado aquela Autarquia, que tal obra se localiza '(…) no Perímetro Urbano aprovado pelo PDM de Odemira e pelo Plano de Urbanização em vigor para a localidade de Zambujeira do Mar', tal facto implica que, em princípio, o ICNB/PNSACV não teria, legalmente, que pronunciar-se (no sentido de autorizar, aprovar, ou emitir parecer favorável, ou não) sobre o licenciamento da mesma [1].

[1] Os diplomas que prevêem tal pronúncia do ICNB são os seguintes:

(1) Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (POPNSACV), aprovado pelo Decreto Regulamentar n.º 33/95, de 11 de Dezembro (alterado pelo Decreto Regulamentar n.º 9/99, de 15 de Junho), cujo Regulamento, no seu artigo 3.º, n.º 1, alínea a) estabelece: “Sem prejuízo dos restantes condicionalismos legais, carecem de autorização da comissão directiva do Parque Natural: (…) O licenciamento de obras de construção civil, designadamente novos edifícios, reconstrução, ampliação, alteração, demolição de edifícios, trabalhos que impliquem alterações da topografia local fora das áreas urbanas existentes definidas no presente Plano, dos perímetros urbanos delimitados nos planos municipais de ordenamento do território legalmente eficazes e das áreas de jurisdição portuária;”.

(2) Rede Natura 2000: Decreto-Lei n.º 140/99, de 24 de Abril (alterado pelo Decreto-Lei n.º 49/2005, de 24 de Fevereiro), cujo artigo 9.º, n.º 2 prescreve: «(…) dependem de parecer favorável do ICN ou da comissão de coordenação e desenvolvimento regional competente: a) A realização de obras de construção civil fora dos perímetros urbanos, com excepção das obras de reconstrução, demolição, conservação de edifícios e ampliação desde que esta não envolva aumento de área de implantação superior a 50% da área inicial e a área total de ampliação seja inferior a 100 m2; b) (…); c) (…); d) As alterações à morfologia do solo, com excepção das decorrentes das normais actividades agrícolas e florestais; (…).»

Sandra Moutinho
Assessoria de imprensa
Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade

Anexo:

Esclarecimentos que a assessora de imprensa do ICNB afirma na carta anterior ter enviado ao jornalista Carlos Dias por ocasião da elaboração da notícia:

1. Nem este ICNB, IP, nem a anterior Comissão Directiva do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) emitiram qualquer autorização e ou parecer no âmbito do processo de licenciamento da obra a que se refere o Alvará n.º 45/2008, da Câmara Municipal de Odemira (CMO); é que, a ser verdade, como terá afirmado aquela Autarquia, que tal obra se localiza “(…) no Perímetro Urbano aprovado pelo PDM de Odemira e pelo Plano de Urbanização em vigor para a localidade de Zambujeira do Mar”, tal facto implica que, em princípio, o ICNB / PNSACV não teria, legalmente, que pronunciar-se (no sentido de autorizar, aprovar, ou emitir parecer favorável, ou não) sobre o licenciamento da mesma [1].

2. Não obstante, poderá a obra em apreço situar-se em área abrangida pelo Plano de Ordenamento da Orla Costeira entre Sines e Burgau (POOC) [2] e, designadamente, num dos espaços urbanos, urbanizáveis e turísticos previstos nos artigos 69.º a 71.º do Regulamento do POOC. Neste caso, tal obra só careceria de licença do ICNB [3] se a mesma ocupasse, total ou parcialmente, o domínio público marítimo (DPM), facto que, em princípio, não se verifica.

De todo o modo, e no sentido de dilucidar todas as dúvidas que possam subsistir nesta matéria, vamos diligenciar junto da CMO para que nos envie as plantas de localização e de implantação desta obra, bem como a certidão de registo predial do respectivo prédio, ou prédios – após o que, se for caso disso, o ICNB não deixará de agir em conformidade.

3. Quanto à segunda parte, que tem a ver com a carta de gestão do POPNSACV –desde já, não comentamos as transcritas declarações do Sr. Presidente da CMO, tanto mais que desconhecemos a totalidade das mesmas e o contexto em que foram produzidas. Por outro lado, pergunta-nos se confirmamos as informações prestadas através dos nossos Ofícios n.ºs 232-ODM/03 e 2035/2008 (STA), de 23/07/2008… sendo que a n/ resposta é: claro que sim.

4. Relativamente à questão sobre “As alterações à carta de Gestão do Plano de Ordenamento do PNSACV foram alterados sem discussão pública?”. Na verdade, dever-se-ia ler, em vez de “foram alterados”, foram aprovadas, ou publicadas. No entanto, a verdade dos factos é esta: até ao presente momento ainda não foram efectuadas nenhumas alterações à carta de gestão do POPNSACV [4].

Nesta matéria, gostaria de chamar a atenção a “explicação” constante do preâmbulo do próprio Decreto Regulamentar n.º 9/99, de 15 de Junho, onde se pode ler que “(…) se optou por introduzir as devidas alterações no Decreto Regulamentar n.º 33/95, de 11 de Dezembro, e no Plano de Ordenamento do PNSACV, editando ainda um novo artigo e dois anexos, um deles contendo a carta de gestão, que por manifesto lapso nunca chegou a ser publicada (…)”.

5. Relativamente aos «Os “lapsos e incorrecções” suprimidos podem ser classificados como tal?».

Neste ponto deve estar a referir-se a outro excerto do referido preâmbulo, onde consta que “O Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) foi aprovado e publicado pelo Decreto Regulamentar n.º 33/95, de 11 de Dezembro. Sucede, porém, que o referido diploma enferma de alguns lapsos e incorrecções que importa suprir, considerando-se ainda oportuno aproveitar esta ocasião para introduzir algumas alterações de pormenor destinadas a melhorar a respectiva regulamentação, tornando-a mais adequada e exequível, em consonância com os ensinamentos recolhidos ao longo do tempo já decorrido desde a sua entrada em vigor. (…)”

No entanto, como bem se compreende, nenhum dirigente ou funcionário do ICNB pode criticar, comentar, ou qualificar, publicamente, as expressões utilizadas num diploma do Governo, “visto e aprovado em Conselho de Ministros”. Desta forma, se pretende saber se «Os “lapsos e incorrecções” [presentes no Decreto Regulamentar n.º 33/95, de 11 de Dezembro] podem ser classificados como tal?», deverá dirigir-se ao legislador – no caso em apreço, o Sr. Ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional.
_____________________

[1] Os diplomas que prevêem tal pronúncia do ICNB são os seguintes:

(1) Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (POPNSACV), aprovado pelo Decreto Regulamentar n.º 33/95, de 11 de Dezembro (alterado pelo Decreto Regulamentar n.º 9/99, de 15 de Junho), cujo Regulamento, no seu artigo 3.º, n.º 1, alínea a) estabelece: “Sem prejuízo dos restantes condicionalismos legais, carecem de autorização da comissão directiva do Parque Natural: (…) O licenciamento de obras de construção civil, designadamente novos edifícios, reconstrução, ampliação, alteração, demolição de edifícios, trabalhos que impliquem alterações da topografia local fora das áreas urbanas existentes definidas no presente Plano, dos perímetros urbanos delimitados nos planos municipais de ordenamento do território legalmente eficazes e das áreas de jurisdição portuária;”.

(2) Rede Natura 2000: Decreto-Lei n.º 140/99, de 24 de Abril (alterado pelo Decreto-Lei n.º 49/2005, de 24 de Fevereiro), cujo artigo 9.º, n.º 2 prescreve: «(…) dependem de parecer favorável do ICN ou da comissão de coordenação e desenvolvimento regional competente: a) A realização de obras de construção civil fora dos perímetros urbanos, com excepção das obras de reconstrução, demolição, conservação de edifícios e ampliação desde que esta não envolva aumento de área de implantação superior a 50% da área inicial e a área total de ampliação seja inferior a 100 m2; b) (…); c) (…); d) As alterações à morfologia do solo, com excepção das decorrentes das normais actividades agrícolas e florestais; (…).»

[2] Aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 152/98, de 30 de Dezembro.

[3] Nos termos do disposto nas normas aplicáveis da Lei n.º 58/2005, de 29 de Dezembro (Lei da Água) e do Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de Maio (alterado pelo Decretos-Lei n.ºs 391-A/2007, de 21/12 e 93/2008, de 04/06).

[4] Ademais, é até curioso que afirme que analisou «(…) os “lapsos e incorrecções” suprimidos na carta de Gestão do Plano de Ordenamento (…)» (destaque nosso) – é que, como já se disse, a referida carta de gestão não foi objecto de nenhuma alteração e ou correcção.

Nota do editor da secção Local, edição Lisboa:

É com grande estranheza que tanto eu, que editei a peça, como o autor, Carlos Dias, lemos o teor da resposta do ICNB
no
De forma sucinta, tentarei descrever essa estranheza:

1º As respostas às questões solicitadas pelo Carlos Dias são diferentes daquelas que foram enviadas posteriormente pelo ICNB ao director e ao provedor, mas que, em génese, não alteram o que foi escrito.

2º As duas primeiras respostas às perguntas do Carlos Dias estão praticamente decalcadas no oitavo parágrafo do texto publicado. A citação incluída no parágrafo 5 da notícia é nota do ICNB na resposta ao CD (em fundo de página) - “instrumentos estratégicos e não vinculativos”.

3ª Tanta certeza de que a interpretação foi “errónea” leva-nos a apontar, com estranheza, o que diz o ponto 2 (parágrafo 2) da segunda resposta do ICNB ao director e provedor, quando diz que [irá, o ICNB] “diligenciar junto da CMO que nos envie plantas (…) após o que, se for caso disso, [o ICNB] não deixará de agir em conformidade”. Portanto, o ICNB é taxativo ao afirmar que “não licenciou nem tinha que licenciar, visto tratar-se de obra em perímetro urbano e fora do PDM, onde não se aplica nem o POOC nem o Plano de ordenamento do PNSACV, mas admite verificar, a posteriori, se está ou não em perímetro urbano.

Conclusão: o que se percebe do texto é que há grandes contradições no ordenamento do território – e é o que diz o título -, pelo menos naquela zona. Não criadas pelo PÚBLICO ou pelo autor da peça. E, salvo melhor entendimento, parece-nos que essas contradições não caíram bem no ICNB, ou a quem facultou as primeiras respostas.

PS: Tenho que dar ênfase a este facto: o que o director e o provedor receberam não é o mesmo que foi dito ao Carlos Dias.

Carlos Filipe

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Um acto que faz mossa (actualizado)

Sendo praticamente impossível interagir com a página do Provedor de outra forma que não esta (o que também diz algo sobre a política editorial do PÚBLICO), queria aqui prestar homenagem ao verdadeiro acto de provedoria que hoje [18 de Janeiro] veio à estampa na página do PÚBLICO destinada ao Provedor. Em matérias de plágio (fala o prof.) só se perdem as que caem no chão, e quando o dito toca a jornalistas (fala o prof. do ofício) mais valera não se terem nunca dado à prosa, porque esta faz mossa grada em todos os sentidos e a sua responsabilidade nunca pode ser alienada.

Faltou apenas o Provedor confrontar o Director com as alegações finais do Jornalista, porque as responsabilidades também se fazem e assumem de tarimba e de escola. Mas de resto, tiro o chapéu.

Vítor Reia-Baptista
Universidade do Algarve

NOTA DO PROVEDOR:
Solicitado a esclarecer por que razão não houve resposta da direcção à queixa do jornalista que encontrou demasiadas semelhanças entre um texto seu e outro saído no PÚBLICO, o director, José Manuel Fernandes, enviou ao provedor a seguinte informação: "Recebi a queixa a 26 de Dezembro, dia em que não fui ao jornal. Reenviei-a para o editor do Ípsilon, com quem Vitor Belanciano mais trabalha, perguntando-lhe se sabia o que se passava. Respndeu-me dizendo que o texto saíra no P2, e já não estava nenhuma das editoras no jornal. Sábado [27 de Dezembro], dia em que estive a fechar o jornal, rebentou a guerra em Gaza. Nunca mais me lembrei do tema. Assumo essa falha. Quando o tema regressou ao meu mail já estava a queixa no Provedor. Foi só nessa altura que regressei ao tema e chamei o Vitor Belanciano. Na passada quinta-feira. O tema ainda não foi discutido pela Direcção Editorial, o que deverá suceder nos próximos dias".

Vítor Belanciano reage à crónica do provedor:

Não pretendo perpetuar esta questão. O provedor disse o que tinha a dizer. Eu também. Mas queria deixar estas considerações:

1. Como sabe, a única missiva, via email, que recebi sua foi esta: “Recebi a mensagem em baixo [carta do leitor] acerca da qual lhe pergunto se lhe oferece enviar-me algum comentário, incluindo confirmação de ter lido previamente o texto referido, de Hugo Gonçalves.” Nada mais.

Estou sempre à sua disposição. Estranho, por isso, que afirme que “desconhece” a quem eu possa estar a referir-me quando digo que “nunca fugi – nem ninguém deste jornal – a esta questão.” Evidentemente, não era ao provedor. Era, claro, a quem me acusou.

Bastava ter-me contactado para desfazer a dúvida, em vez de escrever “o provedor nada insinuou a esse respeito, apenas perguntou, no exercício normal de funções, pelo que desconhece a quem V.B. possa referir-se.”

2. Não percebo o enquadramento dado a este caso pelo provedor. “Terá a nova ecologia comunicacional do século XXI abolido a regra contra a apropriação do trabalho intelectual alheio?” Não entendo onde quer chegar. Não vejo qualquer relação entre esse enquadramento e este caso.

Caro provedor, não sou porta-voz seja do que for, ao contrário do que afirma quando interpreta – não sei porquê, já que não era isso que estava em causa – o conteúdo da crónica. Respondo apenas pelas minhas ideias.

Às tantas escreve: “Sendo certo que a nova ecologia comunicacional poderá obrigar a repensar o conceito de direito de autor, como alega em sua defesa V.B.” Alega em sua defesa? Mas qual era a acusação? Pediu-me apenas para “comentar” uma carta enviada por um leitor. Foi o que fiz.

“Repensar o conceito de direito de autor”? Quando quiser escrever sobre tal tema fá-lo-ei, de forma séria e com a complexidade que o tema exige, mas não foi de certeza no simples email que lhe enviei que isso aconteceu.

Limitei-me a enunciar que toda a criação é em segunda mão e hoje estamos, mais do que nunca, conscientes disso. Sempre houve, há e haverá plágio. A questão é definir as fronteiras, a forma, como se manifesta e definir o que é ou não do domínio público. No domingo, o provedor diz que fiz plágio. Tenho outra visão, mas respeito-a. Ontem, por curiosidade, o leitor que me acusou, colocou no seu blogue “vincada influência”.

Sendo estimável a menção à minha generosidade, a “ansiedade da influência”, para recuperar a expressão de Harold Bloom, não tem a ver com generosidade. É de inevitabilidade que se trata.

3. Às tantas escreve: “Por louvável que seja a franqueza de V.B. ao admitir influências do texto de H.G., é muito mais problemático que o encare como natural.” Mas não são as influências algo de perfeitamente “natural”? O que não é “natural” são aqueles que dizem não ter influências.

4. Não olho o que aconteceu com “aparente displicência”. Sei quais as regras do órgão para onde trabalho. Rejo-me por elas. Quando as infrinjo, assumo-o. Se o jornal entender que me deve punir, cumprirei. Mas nada disso me impede de ter a minha opinião e expressá-la livremente. E a minha opinião é, neste caso, sem dúvida nenhuma, diferente da sua.

5. Por mim, esta questão está encerrada.

Vítor Belanciano

domingo, 18 de janeiro de 2009

Esse espectro chamado plágio

Terá a nova ecologia comunicacional do século XXI abolido a regra contra a apropriação do trabalho intelectual alheio?

O vídeo-chat junta-se ao telemóveis, às sms, ao messenger, ao Facebook ou ao Skype com símbolos de uma nova geração que dois autores invocam em simultâneo

A queixa vem hoje de um jornalista, Hugo Gonçalves, acerca de uma colaboração que fez para a edição de Janeiro do Lux Frágil, mensário gratuito editado por uma discoteca de Lisboa:

”No dia 27 de Novembro enviei um texto por email, com o título ‘O Elogio da Crise’, ao editor do jornal do Lux, Pedro Fradique. O editor resolveu mostrá-lo a alguns amigos e colegas de profissão - entre eles estava o jornalista do PÚBLICO Vítor Belanciano. (…) Queria, segundo me disse, partilhar o artigo e saber as opiniões dos seus colaboradores e amigos sobre o mesmo.

No dia 13 de Dezembro, uma crónica na pág. 3 do P2, escrita por Vítor Belanciano [‘Larguem o ecrã’], começava assim: ’Somos a geração pós-revolução. Não estamos no top de preferências dos que lutaram pela liberdade. Não temos ideais, dizem-nos. Somos os doutores que queriam que fôssemos, replicamos. Deram-nos TV a cores e jogos de computador. Nunca estamos sozinhos. Ele é telemóveis, SMS ou Skype. (...) Somos guardiões do lema pensar global, agir local’.

Um dos parágrafos do meu texto: ’Nós, os que nascemos depois do 25 de Abril, nunca tivemos uma causa geracional, metemos nojo aos colunistas que lutaram pela liberdade, somos os doutores e engenheiros que queriam que fôssemos. (...) Nós, os filhos da pós-revolução, crescemos com televisões a cores, com jogos de computador, com os vídeoclips da MTV a açucarar-nos a vida. Nunca estamos sozinhos – os telemóveis, as sms, o messenger, o facebook. Recebemos o conforto que faltou aos nossos pais. (...) Queremos ser intérpretes do aforismo moderno: pensa globalmente, actua localmente.’

(…) Sim, somos vulneráveis às palavras e às ideias que absorvemos e digerimos e processamos. Porém, e ainda que os textos abordem claramente temas distintos, no caso do parágrafo em questão não se trata de vulnerabilidade, mas de cópia: a cadência, a ordem das palavras, a ideia subjacente e até as imagens usadas para ilustrar tal ideia. Não esquecendo que Vítor Belanciano recebeu o meu texto (…) dias antes de publicar a sua crónica”.

Hugo Gonçalves esclarece que, duas semanas antes de escrever ao provedor, reclamara junto do director do PÚBLICO acerca deste alegado plágio de um escrito seu, mas sem qualquer reacção. E conclui:

“O meu texto foi publicado após a crónica de Vítor Belanciano No entanto, tenho testemunhas e emails que provam que o meu artigo foi escrito muito antes do texto do PÚBLICO. Não gostaria que os leitores pensassem que fiz um exercício de copy/paste [copiar/colar no computador]. É desagradável. Lamento que o PÚBLICO não se tenha preocupado em esclarecer este problema”.

O provedor solicitou esclarecimentos a Vítor Belanciano, perguntando-lhe preliminarmente se confirmava a leitura prévia do texto de Hugo Gonçalves, o que assumiu:

“Nunca fugi – nem ninguém deste jornal – a esta questão. Claro que li o texto de Hugo Gonçalves. Mais: instiguei à sua publicação a quem me pediu opinião. Por isso, recuso insinuações que poderia passar-me pela cabeça dizer que não li o referido texto”.

O provedor nada insinuou a esse respeito, apenas perguntou, no exercício normal de funções, pelo que desconhece a quem Vítor Belanciano possa referir-se. Quanto à explicação da similitude entre o seu texto e o outro, Vítor Belanciano adianta:

“A ideia, o conceito, a essência, dos dois textos é totalmente diferente. O meu reflecte sobre a retórica tecnológica, como se fosse a única imagem de um futuro possível. Algumas influências na sua feitura foram teorias de Zygmunt Bauman (a geração do ‘ter’ e não do ‘ser’), análises de James Howard Kundler (a confiança cega na tecnologia e o estilo de vida ocidental ter que mudar face à escassez de recursos energéticos) e texto de Simon Jenkins sobre haver cada vez mais pessoas a consumirem espectáculos ao vivo, porque não há comunidades virtuais que os substituam. O texto de Hugo Gonçalves é sobre o estado de Portugal e como a crise pode ser, afinal, a salvação.

A minha crónica está escrita num registo formal que é o meu: conciso, directo, frases curtas, dinâmico, cadenciado.

Isso não significa que não existam cinco frases no princípio da minha crónica com semelhanças a frases do outro texto, que, em alguns casos, na sua declaração, Hugo Gonçalves tira de contexto, recorrendo a parêntesis. Adiante. Não vou estar a discutir ‘vírgulas’, que é o que, nestes casos, pode suceder.

Digo, frontalmente, que sim, é plausível que a leitura, alguns dias antes, do texto de Hugo Gonçalves possa ter sugestionado essas minhas frases. Fui um pouco incauto? Talvez.”

E depois, à guisa de doutrina para um gesto que olha com aparente displicência, Vítor Belanciano elabora uma tese justificativa:

“De qualquer forma, a ideia que atribui forma a essas frases está banalizada e é do senso comum. (…)

Eu próprio, em crónicas anteriores, utilizei alusões parecidas para reflectir o mesmo: ‘Podemos recorrer a astúcias e pequenos gestos quando estamos entre desconhecidos sinalizando a intenção de permanecermos afastados, como a utilização indiscriminada do telemóvel – como se através dele obtivéssemos consolo de estar em comunicação, sem o desconforto que o verdadeiro contacto reserva’. (‘Viver por opção no gueto’, 13-08-07); ’Fazer parte de comunidades ou universos virtuais como o Second Life, de dia, ou passear no Chiado de iPhone no ouvido, à noite. Cada um pode criar o seu mundo artificial’. (‘Coexistir’, 20-07-08).

Sei perfeitamente que existem sensibilidades diferentes para conviver com estas questões. Entendo a susceptibilidade de Hugo Gonçalves. Muitos outros partilham do mesmo, certamente. Respeito-o. (…) Essa não é a minha visão, no entanto. (…) Enquanto alguém que pensa sobre estes factos, queria deixar apenas a seguinte observação:

Nenhum texto, ou obra, é puramente original, feito exclusivamente por um sujeito, livre das interferências de outras produções. Citações, referências, alusões, apropriações e ecos – conscientes ou inconscientes – encontram-se, cada vez mais, num mundo intrincado de signos. Mais do que isso, são a própria condição do acto criativo. Ter uma voz singular implica adoptar e abraçar filiações, comunidades, discursos. Inventar não é criar do nada, mas do caos.

Todos o sabem, poucos o aceitam. Tenho a sensação de que hoje grassa uma espécie de arrogância cultural, e uma hipocrisia que lhe está subjacente, quando se fala nestes assuntos. Com o fluxo ininterrupto de informação vinda de todos os lados, estas questões são – e serão ainda mais no futuro – relevantes, implicando rever as formas pelas quais nos relacionamos com elas”.

Por louvável que seja a franqueza de V.B. ao admitir influências do texto de Hugo Gonçalves, é muito mais problemático que o encare como natural. Vítor Belanciano constatava na crónica em causa haver quem acusasse a sua geração (de que se assume como porta-voz) de já não ter ideais. O provedor, que não sabe se é isso que ele próprio pensa, entende de forma diferente – que continua a haver ideais, mas não necessariamente coincidentes com os das gerações anteriores. Em todo o caso, estava convencido de que a não apropriação do trabalho intelectual alheio, mais conhecida como recusa do plágio, permanecia como ideal transmitido de geração para geração.

Conviria a Vítor Belanciano ter a consciência de que o código deontológico da sua profissão estipula que “o jornalista deve combater (…) o plágio como grave falta profissional” e de que trabalha para um jornal cujo Livro de Estilo é taxativo a este respeito: “O plágio é terminantemente proibido no PÚBLICO”.

Poder-se-ia pensar que a proximidade de ideias, a semelhança da exposição e a coincidência de vocábulos entre Hugo Gonçalves e Vítor Belanciano não teriam passado de uma bizarra coincidência em milhões de diferentes combinações lexicais à volta do mesmo tema – certamente mais rara do que ganhar o Euromilhões. Mas, tendo lido o outro texto antes de escrever o seu, a Vítor Belanciano não poderá ter escapado tudo isso, pelo que lhe competiria fugir à inevitável comparação entre dois discursos tão concordantes.

Sendo certo que a nova ecologia comunicacional poderá obrigar a repensar o conceito de direito de autor, como alega em sua defesa, Vítor Belanciano estava a escrever, com a sua própria assinatura, para um órgão de informação tradicional, onde ainda imperam (e imperarão) os velhos valores que obrigam a atribuir devidamente às respectivas fontes todas as informações e expressões recolhidas algures.

Remata o jornalista:

”Alguém me perguntava: ‘E se fosse ao contrário?’ Respondi – com exagero, decerto – que todas as semanas vejo isso acontecer com textos meus. (…) Todos são bem vindos às minhas considerações e histórias. No limite, elas nunca foram apenas minhas, em primeiro lugar, façam favor de fazer delas o que quiserem”.

Sendo estimável, a generosidade de Vítor Belanciano não o autoriza a abusar da generosidade dos outros.

CAIXA:

Onde estão as católicas?


Caso evidente de plágio é o dos vários leitores que enviaram ao provedor a mesma mensagem reclamando contra a reportagem que, na pág. 1 do PÚBLICO da passada quinta-feira, possuía uma chamada em fotolegenda com o título "Há católicas felizes com maridos muçulmanos". Outros dirão tratar-se de campanha ou de abaixo-assinado não assumido, mas ao provedor pouco importa, tanto mais que julga haver pertinência no protesto. A reportagem, desenvolvida nas págs. 2 a 4 dessa edição, destinava-se a fazer contraponto às polémicas declarações do patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, dois dias antes, quando resolveu fugir ao politicamente correcto e alertar as mulheres do seu país: “Pensem duas vezes em casar com um muçulmano (…). É meter-se num monte de sarilhos”.

O provedor sintetiza o sentido das reclamações a partir do texto de um leitor que não fez copy/paste, Gabriel Silva: “Dos quatro exemplos (…) com que o jornal queria ilustrar as ditas ‘católicas felizes com maridos muçulmanos’, constata-se que: uma, não sendo casada, ‘não é praticamente de nenhuma religião, embora em sua casa se faça tudo de forma a não chocar com as regras do islão’; e, nos outros três casos apontados, afinal tratam-se de muçulmanas convertidas (antes ou durante o casamento). Cadê, afinal, as tais ‘católicas felizes’? Aceita-se em teoria que existam. O PÚBLICO é que enganou os leitores”.

Com efeito, o jornal foi infeliz ao referir-se às inexistentes “católicas”. E nem era preciso: segundo todas as notícias, o cardeal não se referia a elas, mas sim às “jovens portuguesas”.

Publicada em 18 de Janeiro de 2009

DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR:

Carta de Hugo Gonçalves

No dia 27 de Novembro enviei um texto por email, com o título "O Elogio da Crise", ao editor do jornal do Lux, Pedro Fradique. O editor resolveu mostrá-lo a alguns amigos e colegas de profissão - entre eles estava o jornalista do PÚBLICO Vítor Belanciano. Quando enviou o texto a esse grupo de pessoas, que colaboram com o jornal do Lux, o editor queria, segundo me disse, partilhar o artigo e saber as opiniões dos seus colaboradores e amigos sobre o mesmo.

No dia 13 de Dezembro, uma crónica na pág. 3 do suplemento P2, escrita pelo jornalista Vítor Belanciano começava assim:

"Somos a geração pós-revolução. Não estamos no top de preferências dos que lutaram pela liberdade. Não temos ideais, dizem-nos. Somos os doutores que queriam que fôssemos, replicamos. Deram-nos TV a cores e jogos de computador. Nunca estamos sozinhos. Ele é telemóveis, SMS ou Skype. (...) Somos guardiões do lema 'pensar global, agir local'."

Um dos parágrafos do meu texto:

"Nós, os que nascemos depois do 25 de Abril, nunca tivemos uma causa geracional, metemos nojo aos colunistas que lutaram pela liberdade, somos os doutores e engenheiros que queriam que fôssemos (...) Nós, os filhos da pós-revolução, crescemos com televisões a cores, com jogos de computador, com os vídeoclips da MTV a açucarar-nos a vida. Nunca estamos sozinhos - os telemóveis, as sms, o messenger, o facebook. Recebemos o conforto que faltou aos nossos pais (...) Queremos ser intérpretes do aforismo moderno: pensa globalmente, actua localmente."

Sou jornalista. Sei que é possível ser influenciado por tudo o que lemos e relemos durante um dia de trabalho. Sim, somos vulneráveis às palavras e às ideias que absorvemos e digerimos e processamos. Porém, e ainda que os textos abordem claramente temas distintos, no caso do parágrafo em questão não se trata de vulnerabilidade mas de cópia: a cadência, a ordem das palavras, a ideia subjacente, e atá as imagens usadas para ilustrar tal ideia. Não esquecendo que Vítor Belanciano recebeu o meu texto, por email, quando ainda estava por publicar, dias antes de publicar a sua crónica no PÚBLICO.

O que escrevi até agora neste email foi praticamente o mesmo que escrevi num email dirigido ao director do PÚBLICO, no dia 26 de Dezembro, depois de ter falado com a secretária da direcção sobre o tema. Sem qualquer resposta, voltei a falar no dia 6 de Janeiro com a secretária da direcção, que me sugeriu enviar o mesmo email para a sua caixa de correio, informando-me que alertaria o director do jornal para o assunto. Desde o primeiro email passaram-se 14 dias. E nada. Nenhuma resposta.

O meu texto foi publicado após a crónica do jornalista Vítor Belanciano. No entanto, tenho testemunhas e emails que provam que o meu artigo foi escrito muito antes do texto do PÚBLICO. Não gostaria que os leitores pensassem que fiz um exercício de copy/paste. É desagradável. Lamento que o jornal PÚBLICO não se tenha preocupado em esclarecer este problema.

Hugo Gonçalves

Explicações do jornalista Vítor Belanciano

Gostava que ficasse claro que nunca fugi – nem ninguém deste jornal – a esta questão. Claro que li o texto de Hugo Gonçalves. Mais: instiguei à sua publicação a quem me pediu opinião. Por isso, recuso insinuações que poderia passar-me pela cabeça dizer que não li o referido texto.

A ideia, o conceito, a essência, dos dois textos é totalmente diferente. O meu reflecte sobre a retórica tecnológica, como se fosse a única imagem de um futuro possível.

Algumas influências na sua feitura foram teorias de Zygmunt Bauman (a geração do “ter” e não do “ser”), análises de James Howard Kundler (a confiança cega na tecnologia e o estilo de vida Ocidental ter que mudar face à escassez de recursos energéticos) e texto de Simon Jenkins sobre haver cada vez mais pessoas a consumirem espectáculos ao vivo, porque não há comunidades virtuais que os substituam. O texto de Hugo Gonçalves é sobre o estado de Portugal e como a crise pode ser, afinal, a salvação.

A minha crónica está escrita num registo formal que é o meu: conciso, directo, frases curtas, dinâmico, cadenciado.

Isso não significa que não existam cinco frases no princípio da minha crónica com semelhanças a frases do outro texto que, em alguns casos, na sua declaração, Hugo Gonçalves tira de contexto, recorrendo a parêntesis. Adiante. Não vou estar a discutir "vírgulas", que é o que, nestes casos, pode suceder.

Digo, frontalmente, que sim, é plausível que a leitura, alguns dias antes, do texto de Hugo Gonçalves possa ter sugestionado essas minhas frases. Fui um pouco incauto? Talvez.

De qualquer forma, a ideia que atribui forma a essas frases está banalizada e é do senso comum. Trata-se de reflectir que há uma geração que caracteriza outra como sendo pouco idealista, consumista, acomodada, tecnologicamente dependente para se relacionar.

Eu próprio, em crónicas anteriores, utilizei alusões parecidas para reflectir o mesmo: “Podemos recorrer a astúcias e pequenos gestos quando estamos entre desconhecidos sinalizando a intenção de permanecermos afastados, como a utilização indiscriminada do telemóvel – como se através dele obtivéssemos consolo de estar em comunicação, sem o desconforto que o verdadeiro contacto reserva (“Viver por opção no gueto”, 13-08-07); “Fazer parte de comunidades ou universos virtuais como o Second Life, de dia, ou passear no Chiado de iPhone no ouvido, à noite. Cada um pode criar o seu mundo artificial.” (“Coexistir”, 20-07-08)

Sei perfeitamente que existem sensibilidades diferentes para conviver com estas questões. Entendo a susceptibilidade de Hugo Gonçalves. Muito outros partilham do mesmo, certamente. Respeito-o. Sem retirar uma vírgula ao que disse, queria dizer que essa não é a minha visão, no entanto. Este não é o contexto para me expressar sobre isso de forma aprofundada. Mas enquanto alguém que pensa sobre estes factos queria deixar apenas esta observação:

Nenhum texto, ou obra, é puramente original, feito exclusivamente por um sujeito, livre das interferências de outras produções. Citações, referências, alusões, apropriações e ecos – conscientes ou inconscientes – encontram-se, cada vez mais, num mundo intrincado de signos. Mais do que isso, são a própria condição do acto criativo. Ter uma voz singular implica adoptar e abraçar filiações, comunidades, discursos. Inventar não é criar do nada, mas do caos.

Todos o sabem, poucos o aceitam. Tenho a sensação de que hoje grassa uma espécie de arrogância cultural, e uma hipocrisia que lhe está subjacente, quando se fala nestes assuntos. Com o fluxo ininterrupto de informação vinda de todos os lados, estas questões são – e serão ainda mais no futuro – relevantes, implicando rever as formas pelas quais nos relacionamos com elas. Por tudo, e por nada, fazem-se as mais diversas acusações, de forma nivelada.

Ontem alguém me perguntava: “E se fosse ao contrário?”. Respondi – com exagero, decerto – que todas as semanas vejo isso acontecer com textos meus. Como jornalista ou crítico sou apenas uma pontinha no meio de um oceano de histórias. Um dia destes vou-me. Por enquanto, agradeço estar por aqui. A única coisa que posso fazer é agradecer aos que me lêem. Todos são bem-vindos às minhas considerações e histórias. No limite, elas nunca foram apenas minhas, em primeiro lugar, façam favor de fazer delas o que quiserem.

Vítor Belanciano

Carta do leitor Gabriel Silva

Achei enternecedor o destaque hoje da capa do PÚBLICO, que titulava assim: "Polémica: Há católicas felizes com maridos muçulmanos".

Embora ninguém, que eu tenha visto, tenha afirmado o seu contrário (não se vendo grande razão para o destaque de "polémica"), o PÚBLICO entendeu anunciar essa boa nova. Fica registado.

Lá dentro, o PÚBLICO reserva três páginas para tratar o assunto. No entanto, a sua leitura reduz a zero, ou mesmo a um embuste, o título de capa.

É que dos quatro exemplos de casamentos entre alegadas católicas e muçulmanos com que o jornal queria ilustrar as ditas "católicas felizes com maridos muçulmanos" constata-se que:

Uma, não sendo casada, tão pouco é "praticamente de nenhuma religião,
embora em sua casa se faça tudo para não chocar com as regras do
islão"; e nos outros três casos apontados afinal tratam-se de muçulmanas
convertidas (antes ou durante o casamento).

Cadê afinal as tais "católicas felizes"?

Aceita-se em teoria que existam. O PÚBLICO é que enganou os leitores com o título de capa.

Gabriel Silva

Carta do leitor Francisco Pereira

Com parangonas de primeira página, dá conta o PÚBLICO de que há uma "polémica" e que há católicas que são felizes sendo casadas com muçulmanos. Isto a propósito, já se \vê, das recentes declarações de Sua Eminência o Cardeal Patriarca de Lisboa.

É evidente que a frase escolhida para encimar a fotografia que se publica nada tem que ver com as declarações do Senhor Patriarca. Houve quem assinalasse a impertinência das palavras do Senhor Dom José, o que se aceita. Porém, não será já aceitável que delas se extraiam conclusões que nelas não têm qualquer arrimo. Não tenho ideia de ter o Senhor Cardeal dito que quem casasse com muçulmanos seria infeliz para toda a vida. Não terá sido isso que foi dito.

Contudo, mais estranheza ainda resulta do relato de vida das pretensas católicas casadas com muçulmanos, na pág. 3, em baixo. Bem lidas as coisas, a primeira nem sequer é casada e reconhece não praticar qualquer religião. Os restantes três exemplos referem-se a pessoas que se converteram ao Islão, o que, a menos que esteja eu a ser precipitado, impede de as considerarmos católicas.

Dito isto, reafirmo: há seguramente católicas casadas com muçulmanos que são muito felizes. Há com toda a certeza. Não são é as que são referidas no jornal. E há certamente muitas católicas que, estando casadas com católicos, são infelicíssimas. Apesar de tudo, uma e outra conclusão nada têm que ver com as declarações do Senhor Dom José, e, infelizmente, em assunto tão delicado, melhor fora que um jornal com a credibilidade como aquele de que é Provedor não cedesse aos soundbytes do momento e não contribuísse, para mais sem qualquer razão, para o acicatar de sentimentos de intolerância.

Francisco Pereira
Fátima

NOTA DO PROVEDOR: Foram recebidas de outros leitores mais duas cartas iguais.

Carta do leitor Francisco Crispim

Porque se trata de um assunto sério, que joga com a credibilidade do jornal e a possibilidade de eu continuar a comprá-lo e a lê-lo, agradeço que, na próxima crónica na edição impressa, trate do assunto a que se refere este post do blog 31 da Armada:

ceci n'est pas une pipe

O Público de hoje dá destaque à “polémica” causada pelas palavras do Cardeal Patriarca sobre o casamento de católicas com muçulmanos.
Sem pretender discutir a pertinência do que o Senhor D. José Policarpo afirmou, não posso deixar de lamentar a miserável cobertura que o jornal faz hoje das suas repercussões. Desconheço se foram os jornalistas, António Marujo e Alexandra Prado Coelho, que escolheram o título e o enquadramento, mas a verdade é que a edição de hoje do Público deveria ser utilizada, por todos aqueles que ensinam em escolas de jornalismo, como um exemplo do que não deve, nem pode, ser a informação.
Sem dispensar a leitura do jornal, faço aqui um resumo. Com uma chamada de atenção à 1.ª página, com uma fotografia de uma suposta católica com os seus 4 filhos, que ocupa quase meia página, podemos ler “Polémica Há católicas felizes com maridos muçulmanos”. Só por si, esta afirmação é patética. Tão absurda como a que assegurasse haver católicas infelicíssimas com maridos também eles católicos.
Lá dentro, o Público gasta 3 páginas (as primeiras 3) com o assunto. No entanto, quando lemos a notícia, constatamos que o texto em nada corresponde com o título da 1.ª página.
Com efeito, dos 4 exemplos de casamentos entre alegadas católicas e muçulmanos, percebemos, afinal, que (i) uma delas, a da fotografia, para além de não ser casada, “não é praticamente de nenhuma religião, embora em sua casa se faça tudo para não chocar com as regras do islão”; (ii) os restantes 3 exemplos retratam casos em que as não muçulmanas, com o casamento ou depois dele, converteram-se ao islão.
Bem sei que, nos dias de hoje, as agendas de alguns jornalistas pressupõem um grau elevado de anticlericalismo (essencialmente de cariz católico), mas os excessos são de evitar. Para obviar ao ridículo.
Nota adicional: os exemplos trazidos pelo Público não só não contradizem o afirmado pelo Cardeal Patriarca, como o confirmam. Se o jornal fosse sério, amanhã retractava-se.
(publicado por Rui Castro)

Francisco Crispim

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Guerra e paz


Reacção à última crónica do povedor:

Li também eu o editorial do director do PÚBLICO de 5 de Janeiro ("Lutar por essa palavra proibida: vitória"). E a mesma frase, sobre o "muito cuidado e precisão" do exército israelita, chocou-me como um murro no estômago, especialmente tendo em conta que a capa da mesma edição destacava o número já então extremamente elevado de vítimas civis, incluindo muitas crianças.

Nestes momentos - já não é a primeira vez -, sinto repugnância pelo jornal. Leio o PÚBLICO desde que nasceu e sei que tem alguns excelentes jornalistas, mas custa-me estar a contribuir para um projecto dirigido por alguém com opiniões que para mim são profundamente revoltantes. Repare-se que não há aqui razões ideológicas: não me considero de direita nem de esquerda, não acho que a violência de uns seja mais desculpável que a de outros (embora matar cerca de 700 pessoas, como já fez Israel, seja quantitativamente mais grave do que matar 13, que foi tudo o que conseguiu o Hamas, certamente por falta de meios). Choca-me sobretudo a falta de empatia com o sofrimento causado a tantos inocentes por um conflito destes.

Já lhe aconteceu ver marchas pela Paz, concertos pela Paz, vigílias pela Paz, apelos à Paz e, dada a aparente consensualidade, pensar: mas então se somos todos pela Paz por que é que há tantas guerras? A verdade é que não somos todos pela Paz. Há pessoas que acham que a melhor maneira de resolver alguns problemas é uma boa guerra, seja ela no Iraque ou na Palestina. Há pessoas que acham que as missões de Paz da ONU são um estorvo à resolução dos problemas (leia-se o mesmo editorial de José Manuel Fernandes). E, falemos claro, José Manuel Fernandes é uma dessas pessoas.

Pergunta o Provedor se esses textos, mesmo assinados, não poderão comprometer ideologicamente o próprio jornal. Para mim é claro que comprometem, já que o seu autor é nada menos que o director do mesmo. E protesto à minha modesta maneira: evito comprar o jornal e já cancelei a minha assinatura da versão electrónica há muitos anos (aquando da guerra do Iraque).

No fundo, há duas coisas tristes: que alguns excelentes jornalistas que há no PÚBLICO fiquem associados a esta imagem (mas se calhar também têm culpa, por não se demarcarem claramente da situação, que sei eu...); e que o panorama da imprensa portuguesa seja tão pobre que um jornal supostamente de referência possa alardear posições tão facciosas em editorial, coisa impensável nos mais prestigiados títulos da imprensa internacional, de direita e de esquerda.

De qualquer forma, queria agradecer-lhe ter chamado a atenção para o problema.

Manuel Leal (Bruxelas)

Que é um editorial?

Não seguindo a definição convencional, até que ponto os editoriais do PÚBLICO vinculam o jornal?

O leitor contesta o “cuidado e precisão” que o director atribui ao exército israelita

Esta questão semântica já surgiu antes e vai continuar a surgir. O leitor A. Zózimo levantou na semana finda o seguinte problema: “O director do PÚBLICO continua a sua campanha por Israel (…). Todos temos opinião sobre tudo, e ainda bem. Mas uma coisa é a minha opinião ou de José Manuel Fernandes sobre o que se passa no Médio Oriente desde os anos 40 do século XX, como pessoas, como cidadãos. Outra coisa é José Manuel Fernandes como director de jornal. Por isso, talvez eu tenha o direito de lhe perguntar se considera que é respeitado o estatuto editorial que cito: ‘PÚBLICO é um jornal diário de grande informação, orientado por critérios de rigor e criatividade editorial, sem qualquer dependência de ordem ideológica, política e económica’.

Vem tudo isto, esclarece o leitor, a respeito de dois editoriais assinados por José Manuel Fernandes sobre o mais recente conflito israelo-palestiniano (ainda em curso): “A 30 de Dezembro, quer fazer-nos crer que o problema político da guerra pela terra na Palestina é a alternativa entre apoiar Israel ou deitá-lo ao mar, em linguagem metafórica obviamente. A 5 de Janeiro, tem o descaramento de afirmar: ‘Quem (...) olha para o número de operações e regista o número de vítimas civis só pode considerar que o Exército israelita tem actuado com determinação mas também com muito cuidado e precisão.’ Como é isto possível, quando na altura já se contavam cerca de 700 mortos, entre os quais mais de 200 crianças? Como é possível isto quando já tinham sido bombardeadas três escolas da ONU, com dezenas de mortos, cuja georeferenciação é conhecida do Exército? (…) Depois de ver pessoal médico atingido a tiro na rua, depois de saber que 13, de dezenas de refugiados numa casa, são mortos e deixados no meio dos vivos durante dias, depois de se conhecer as alegações, que tenho dificuldade em aceitar, de que feridos noutra casa só tiveram socorro dois dias e meio depois, por falta de autorização das forças atacantes, depois disto tudo, pergunto-me se José Manuel Fernandes mantém a opinião do ‘cuidado e precisão’ do Exército”.

Tratando-se de um texto opinativo, não cuidou o provedor de solicitar a José Manuel Fernandes resposta às questões factuais suscitadas pelo leitor, até porque a avaliação do “cuidado e precisão” das tropas israelitas pertence ao terreno da subjectividade (logo, da opinião) e levar-nos-ia a um beco. Mas a reclamação levanta um problema mais amplo, que desde sempre tem acompanhado a história deste jornal: pode-se considerar editorial um texto de opinião que, sob esse cabeçalho, surge assinado por um membro da direcção editorial do PÚBLICO, e até que ponto ele vincula o próprio jornal?

Na concepção convencional, o editorial é um texto que procura consensualizar uma tomada de posição dos responsáveis de uma publicação acerca de determinado tópico, pelo que se confunde com a opinião do próprio jornal, não sendo pois assinado por quem o escreveu. Essa é a definição genérica do termo “editorial” contida nos dicionários: “Diz-se do artigo de um periódico que é da responsabilidade da direcção e exprime a orientação desse periódico” (Grande Dicionário da Língua Portuguesa, coordenação de José Pedro Machado, 1981); “artigo em que se discute uma questão, apresentando o ponto de vista do jornal, da empresa jornalística ou do redactor-chefe” (Dicionário Houaiss, 2003). É claro que a busca de tal consenso implica uma linguagem relativamente anódina e eventualmente inócua, como José Manuel Fernandes afirmou por carta a André Gonçalves Pereira, membro do Conselho Consultivo (CC) do PÚBLICO, quando no seio deste órgão, a propósito de outro conflito internacional, o mesmo tema foi levantado: é “uma opção que me parece empobrecedora, pois conduziria inevitavelmente a textos cinzentos (…), como defendi nas várias reuniões do Conselho do PÚBLICO em que este tema foi tratado”. Outro problema é que nem sempre é possível reunir o consenso de todos os directores, muitas vezes acerca de tópicos de premente actualidade.

O PÚBLICO adoptou assim, desde início, aquilo que, na mesma carta, José Manuel Fernandes designou como “editoriais plurais”, em contraposição aos “editoriais consensuais”: cada membro da direcção assina o seu próprio texto para o espaço do editorial, sem se preocupar em transmitir uma posição colectiva, mas sim a sua própria e exclusiva opinião. Por isso o editorial apresenta-se no Livro de Estilo do PÚBLICO definido de forma algo diferente da dos dicionários: “Texto breve de opinião, claro e incisivo, assinado por um elemento da Direcção editorial”.

Numa resposta a um leitor que em meados de 2006 levantou também este problema, José Manuel Fernandes justificou a doutrina: “Procurar uma espécie de ‘opinião média’ da redacção (…) não é possível ou praticável. Pior: se tal se tentasse fazer (como tentámos episodicamente em 2000, aquando da reformulação gráfica do jornal), depressa cairíamos em textos baços e neutros. Daí que tenhamos regressado à fórmula dos editoriais assinados, mas assertivos e naturalmente mais polémicos, podendo mesmo expressar pontos de vista diferentes conforme os seus autores.”

O provedor (que noutro jornal, aliás, foi protagonista de idêntica experiência) não tem a pretensão de levar o PÚBLICO a alterar o que constitui um dos seus traços genéticos (e que possui inteira liberdade para prosseguir), mas não pode deixar de alertar para alguns mal-entendidos daqui decorrentes, sobretudo porque este conceito se distingue daquele que os leitores mais estão habituados a associar à ideia de editorial.

Na já referida carta a um membro do CC, José Manuel Fernandes defendeu o equilíbrio desta solução ao exemplificar com editoriais de colegas seus da direcção advogando posições diferentes das dele sobre um mesmo tema. Há que reconhecer porém que José Manuel Fernandes, além de por vezes escrever na primeira pessoa do singular (o que não deixa de ser insólito para um editorial), argumenta não só de forma mais aguerrida, parecendo enveredar pelo proselitismo, como os seus textos se orientam globalmente em determinado sentido ideológico (que, no plano da política internacional, se pode considerar como do neoconservadorismo norte-americano, classificação com que talvez ele não concorde, mas que deixou transparecer num artigo publicado em Março de 2003 a propósito da invasão do Iraque: “Este ponto de vista aproxima-me do pensamento estratégico dos neoconservadores. Não tenho problema em o admitir”).

O provedor também não vê nenhum problema nessa filiação ideológica ou noutra qualquer (todos temos alguma), mas acha que merece reflexão o eventual risco da sua identificação, aos olhos de alguns leitores habituados à semântica tradicional, com uma posição do próprio jornal, dada o ardor quase militante que José Manuel Fernandes tem colocado nos seus editoriais. Será que a “lágrima” de alegria mencionada pelo director num editorial a propósito da entrada das tropas norte-americanas em Bagdade, em 2003, que comparava aos acontecimentos de 25 de Abril de 1974 em Portugal, não terá comprometido o PÚBLICO num certo posicionamento perante a questão iraquiana (apesar de tal não transparecer na cobertura jornalística dessa série de eventos)? Poderíamos, nesse caso, estar no terreno da “dependência ideológica” levantado na reclamação inicial?

Os equívocos aumentam na medida em que, já no passado, José Manuel Fernandes tem optado por defender certas posições (“mais fortes e pessoais”, como explicou na carta mencionada) não em editorial mas em textos de opinião publicados à parte (como aquele em que se identificou com os neoconservadores). Esta prática pode induzir nos leitores a convicção de que, se tais textos aparecem sem indicação de editorial, se destinam a não comprometer o jornal da mesma forma que os editoriais (muitas vezes com linguagem igualmente “forte e pessoal”) comprometerão.

Acerca do carácter “baço e neutro” que os editoriais desapaixonados terão, convirá também sublinhar como perfeitamente natural e admissível que, ao lado, um director mantenha uma coluna de opinião (regular ou não) onde as suas posições assumam um carácter mais pessoal e, eventualmente, mais radical.

O provedor não possui, pelas razões expostas, qualquer recomendação a fazer nesta matéria, mas entende ser seu dever alertar para estas ambiguidades e dizer que julga existir espaço para uma solução mais clarificadora.


CAIXA:

Sim, é possível

O PÚBLICO tem dito e repetido, sem para o efeito invocar qualquer fonte, que o PCP copiou o seu actual slogan “Sim, é possível uma vida melhor!” do da campanha eleitoral de Barack Obama, “Yes, we can”. De facto, um pode ser a tradução do outro, mas já em 27 de Dezembro um leitor anónimo alertava o provedor: “Não me parece nada normal que insistam que o slogan do PCP para o início deste ano seja inspirado na campanha de Obama. Basta uma breve consulta ao Google e percebe-se de imediato a origem do mesmo slogan. Este vem da Conferência Nacional do PCP que se realizou em 2003 (…). O slogan era ‘Sim, é possível, um PCP mais forte!’. Eu ainda vou acreditando que ‘sim, é possível’ alguma decência neste país e na vossa classe profissional”. Entretanto, a reincidência na comparação, na notícia “PCP lança campanha com lema de Barack Obama”, publicada na pág. 7 da edição da passada sexta-feira, levou a novas reclamações. “Em 25 de Outubro de 2004, o PCP já tinha apresentado uma frase de campanha que, concretamente, dizia: ‘Sim, é possível. Melhores salários. Mais segurança’”, escreveu Lélio Fidalgo. “Provavelmente o(s) autor(es) desta notícia ouviram, aquando do último Congresso do PCP, alguém dizer semelhante asneira, repetiram-na mas não cuidaram de saber se havia alguma verdade nessa afirmação”. E acrescenta André Levy: “O mais correcto cronologicamente seria que Obama se havia inspirado num lema do PCP, o que é tão absurdo como o PÚBLICO implicar que Jerónimo de Sousa se pode ter inspirado no lema do Presidente-eleito do EUA. Implicar a precedência do lema de Obama é um erro, facilmente provado, e uma implicação fraudulenta do PÚBLICO aos seus leitores, que importa corrigir. Pelo rigor jornalístico”.

Publicada em 11 de Janeiro de 2009

sábado, 10 de janeiro de 2009

Um esquecimento conveniente?

Duas reacções motivadas pela última crónica do provedor:

Fiquei satisfeito com a abordagem feita e com o impacto que o tema teve, e vai continuar a ter, em diversos fora. A blogosfera, por exemplo, "ferve"! O meu mail e o meu telemóvel não param! A distribuidora com que a minha editora trabalha acabou de reforçar - reactivar! - as encomendas do livro! Até aqui, e numa esfera mais mercantilista, o balanço é muito positivo! Ou seja, este debate ninguém consegue parar!

Só por isso, já ficou justificado o esforço - pelo menos o meu - e serviu de ponto de partida para um conjunto de reacções em cadeia que recebi - e ainda estou a receber - e que me deixam tranquilo e seguro das razões pelas quais recorri ao Provedor do Leitor do Publico.

Desde "herói" a "corajoso" já me chamaram um pouco de tudo. Mentiroso ainda não e hipócrita também não! Digo-o obviamente com alguma ligeira ironia, mas é claro que estamos perante um tema sensível, polémico e que mexe com muitos interesses, inclusive financeiros, muitas e variadas subsidiodependências.

Há muita gente por todo o mundo a querer viver (mamar!, desculpe o termo) destes conceitos viciados e habilidosamente "artilhados". Por isso não lhes interessa a desmontagem destes embustes. Daí a necessidade de a imprensa dever ter muito cuidado na forma como trata estas temáticas.

Penso que, na esfera jornalística e no que ao PÚBLICO diz respeito, o assunto pela minha parte está encerrado. Até porque nunca coloquei em causa qualquer critério editorial do PÚBLICO. Nunca foi isso que esteve em causa, e referi-o desde o início. Nem podia estar, como é óbvio.

As conclusões do seu texto vieram confirmar aquilo que eu pensava. E os comentários que me foram feitos, somados a outras observações cruzadas ou que circulam agora em diversos "palcos" de debate, provaram que eu tinha razão e as pessoas, da forma como o leram, reforçaram essas minhas razões.

E até acharam imensa piada ao esquecimento conjunto do director e do redactor nas respostas aos meus mails. Foi o comentário preferido! Até lhe chamaram "Um Esquecimento Conveniente". Isto nunca colocando em causa o imenso respeito profissional que tenho pelo José Manuel Fernandes, nem pelo PÚBLICO, jornal do qual sou leitor há 20 anos e vou continuar a ser. Mas, agora, eu e toda a comunidade que se interessa por estas coisas confirmámos as posições do PÚBLICO quanto ao "aquecimento Gglobal". Nada a opor! Fui avisado disso logo no inicio do processo de edição deste livro e referi-o na primeira carta/mail que lhe enviei.

Sinto apenas necessidade de fazer uma pequena (?) correcção com o intuito de provar ao Joaquim Vieira a bondade da nossa razão e comportamento: quem lhe disse que o livro estava editado no mercado internacional há dois anos para se justificar ... MENTIU! Mas essa MENTIRA reforça a nossa razão e postura.

E assim, o Joaquim Vieira pode confirmar como se MENTE quando em fragilidade argumentativa. Sabe porquê? PORQUE ESTE LIVRO NÃO ESTÁ EDITADO EM NENHUM PAÍS DO MUNDO. Portugal foi o primeiro País a editá-lo, e só agora a minha editora está a preparar o lançamento no Brasil, Angola e em lingua espanhola.

E porquê? Porque este livro... não era um livro! IGNORÂNCIA e MÁ FÉ! Este livro chamado agora, em Portugal, "A Ficção Científica de Al Gore", de Marlo Lewis, era um... "congress paper"! Os tradutores e consultores da minha editora (Rui Moura e Jorge Oliveira) estiveram fora do país num congresso e receberam o actual conteúdo do livro na qualidade de participantes. Quando chegaram a Portugal perguntaram-me se eu estava interessado em editar este... "congress paper"! Entrámos em contacto com a autor e... nasceu um livro!

Portanto, o PDF que o jornalista recebeu foi lido em primeira mão em Portugal, e à borla, pelos defensores do "aquecimento global"! Ou seja, o jornalista nem poderia conhecer antecipadamente o livro do circuito internacional, como ele disse, e rejeitar de imediato o seu conteúdo por essa razão. O jornalista deixou o livro "afogar-se" nos seus mails porque percebeu que era uma "peça" crítica do "aquecimento global"! Há escorregadelas fantásticas não há? E toda esta má-fé prova a bondade da nossa argumentação. Já viu o Joaquim Vieira como se apanha o primarismo e a falta de deontologia de um colaborador do PÚBLICO? Há quem lhe chame azar...

Pela minha parte, e no que ao PÚBLICO diz respeito, as coisas ficaram esclarecidas. Quanto ao jornalista, ficou tudo comprovado e denunciado! Esse também era um dos nossos objectivos. Ele hoje está muito mais limitado nas suas movimentações e interesses porque foi denunciado e forçado a assumir o seu alinhamento.

Horácio Piriquito

NOTA DO PROVEDOR: Ninguém transmitiu ao provedor a informação de que o livro de Marlo Lewis existe no mercado há quase dois anos, pois esta está na internet e pode ser obtida com uma pequena pesquisa, como por exemplo aqui, onde se informa de uma apresentação feita pelo autor em Março de 2007. Por outro lado, o jornalista já esclareceu que não divulgou o PDF, não passando pois a acusação feita por Horácio Piriquito, neste particular, de um processo de intenções.

Achei curioso o artigo, principalmente porque comprei o livro já há uns meses e creio que a publicidade veio no vosso jornal. Sobre o livro, convém referir que o autor, Marlo Lewis Jr., já deu uma palestra (em video) a explicar os itens analizados (aqui).

É interessante tambem analizar "global warming in a climate of ignorance". E ainda "official pseudoscience" Estamos rodeados de uma pseudociência?

A minha análise:

1 - sobre este tema não há debates na comunicação social. Logo é caso para considerar-se suspeito.

2 - sobre a sua frase que refere que pelo facto de haver um consenso geral quer nos países quer nos cientistas, quanto a isso digo-lhe apenas isto: o que interessa à verdadeira ciência não são consensos mas sim a verdade [NOTA DO PROVEDOR: o leitor refere-se a uma passagem da resposta do jornalista Ricardo Garcia, não a algo que o provedor tenha escrito]. O que interessa não é a votação democrática mas sim a VERDADE. A democracia não serve para a ciência. Se 99,99% votarem a favor de uma mentira não é por esse facto que deixa de ser mentira.

3 - depois de pesquisar bem chega-se à conclusão de que este é, de facto, o engodo do século XXI. E o esquema está todo ele muito bem montado. Já reparou nos milhões que são gastos nesta propaganda em vez de se combater a pobreza?

4 - a comunicação está inserida num conluio com esta teia ou está do lado que lhe convém (é mais fácil estar do lado da multidão do que do lado da verdade) ou não sabe do que fala ou limita-se a passar informação de um lado para o outro.

5 - de facto, isto é tudo decidido por um conjunto de cientistas do IPCC que decidem aprovar por maioria (muitos contra a sua vontade e outros abandonaram o IPCC) a decisão. Depois é transformado em leis e finalmente posteriormente tudo manietado em impostos ou taxas de CO2. É isto a finalidade da artimanha, cobrar mais taxas às pessoas.

6 - ou seja, o CO2 é transformado no verdadeiro vilão no meio disto tudo. Ridículo constatar que qualquer artigo que se refira ao CO2 é acompanhado de uma chaminé a deitar fumo negro. Isto é tentar associar a imagem à palavra. O engodo de que o CO2 causa aquecimento no planeta (e estará a aquecer ou a arrefecer?) é um autêntico atentado à inteligência das pessoas. Será que as pessoas sabem o que é o CO2? O CO2 é incolor e não tóxico. Não é preciso ser-se cientista para comprovar. Quando respiramos libertamos CO2 (será que Al Gore respira?). O CO2 é fundamental para as plantas e para nós porque transformam CO2 em O2. Qualquer criança que andou na escola sabe disto.

7 - por que será que não se fala em gases bem tóxicos, como os que saem dos escapes ou chaminés, em vez de se martelar no "coitado" do CO2? Isto é maquiavélico. Um atentado à inteligência das pessoas (ver aqui).

8 - É absolutamente espantoso verificar que nunca ninguém nos meios da comunicação social sabe de onde vem o calor. Nunca ninguém fala no Sol, esse grande astro que por vezes tem variações nas manchas solares que causam maior ou menor calor. Também ninguém sabe que o eixo da Terra tem ligeiras alterações. E basta a mudança de 1 grau para provocar alterações no clima (alterações que existiram, existem e sempre existirão na história do planeta). Daí que o Saara já tenha sido verde e hoje é deserto.

9 - é curioso constatar que o ex-vice-presidente da América (Al Gore) recebe rios de dinheiro nas suas palestras a proferir barbaridades autênticas. E curioso tambem porque se desloca em viaturas que produzem imenso CO2. Hipocrisia?

10 - antes de se acreditar no que dizem os outros, só porque toda a gente acredita, convém verificar a veracidade dos factos. Eu, e certamente muitos mais, não acredito nesta charlatanice.

Frases do mestre Buda:
"Não acredites em alguma coisa simplesmente porque a escutaste.
Não acredites em tradições simplesmente porque provêm desde há muitas gerações.
Não acredites em algo só porque é falado ou é motivo de rumor por muitos.
Não acredites em algo simplesmente porque vem escrito nos teus livros religiosos.
Não acredites em algo simplesmente porque é dito pelos teus professores ou anciãos.
Mas, após observação e análise, quando encontrares algo que vai de acordo com a razão e é conduzível à felicidade e benefício de uma só pessoa e de todas, então aceita-o e vive-o.
...
Se não encontrares uma companhia inteligente, uma pessoa sábia e bem-comportada que te acompanhe, então vai sozinho, como um rei que abandona um reino conquistado ou como um enorme elefante na floresta profunda."

11 - o homem é o único ser com capacidade para acreditar que os fenómenos da natureza podem ser um castigo de Deus. E, agora, também o único para achar-se que é sua a autoria do denominado aquecimento global. Ridículo.

Estamos rodeados de uma nova inquisição que se aproveita da ignorância das pessoas? A comunicação social anda a substituir a igreja? Link e link.

Espero que este email ajude a despertar consciências.

J. Batista